Mediunidade e consciência

“O chefe de terreiro tem o compromisso moral e ético de ser fiel à verdade que vivencia. Se não existem mais médiuns inconscientes é porque não são mais necessários. Assim como quando chove a água cai do alto para baixo, e não ao contrário, a sineta bate do lado de lá para o lado de cá. São os tutores da Umbanda pertencentes à alta confraria que a orientam, que são os responsáveis pelo tipo de sensibilidade mediúnica preponderante nos médiuns que reencarnam, em conformidade com a consciência coletiva.

É fundamental desmistificarmos o que seja “incorporação”, pois nos é triste ver medianeiros despreparados omitindo sua consciência e dissimulando para os consulentes, dizendo que são inconscientes. Em verdade, não reencarnam mais médiuns totalmente inconscientes e prepondera no mediunismo umbandista, nos dias atuais, a chamada “incorporação”pela irradiação intuitiva. O aparelho mediúnico sente as vibrações, percebe os seus Guias, mas fica plenamente desperto e consciente do que se passa pela sua mente. Daí a importância do estudo contínuo que dará a educação e o autoconhecimento necessários para que os sensitivos sejam bons receptores dos Guias, emissores do Plano Espiritual.

Os médiuns não devem mestificar. Haverá momentos de extrema pressão, de conflitos, que seria mais fácil “incorporar” o Guia para ele resolver. Mesmo que isso ocorra pontualmente, se houver ocorrências de “urgência”, impossível o emocional do médium não interferir na comunicação. Se não tiver maturidade emocional, grande capacidade de lidar com a frustração, resiliência e alteridade internalizada, será impossível ter limpidez mediúnica, haja vista também ser médium de transe lúcido.

Na maior parte do tempo de convivência no terreiro, seus componentes não estarão mediunizados com a tradicional incorporação. Se tiver valência mediúnica – e precisará ter, pois, em contrário, não suportará seu cargo -, sua percepção será sutil, clarividente e clariaudiente preponderantemente; os Guias astrais “falarão” com ele na forma de pensamentos que entrarão no alto de sua cabeça e retumbarão no meio do seu crânio, quase como um autofalante radiofônico.

Fonte: A UMBANDA DE TODOS NÓS – Manual do Chefe de Terreiro
Venda pelo site: http://livrariadotriangulo.com/

 

Anúncios

Pensamentos positivos a partir de Jodorowsky

Sai de férias, resolvi descansar e visitar minha filha que mora em Quito, Equador, país no qual também já vivi. Faz 11 anos que deixei essa cidade e agora retorno e me deparo comigo mesma e com o espiritual que há em mim, e cada vez me certifico mais que sou Umbandista e assim quero estar até o fim da minha existência carnal e se for do meu merecimento levar os aprendizados dessa religião, tão mística, durante a minha caminhada espiritual. 

Por que faço essa introdução? Porque encontrei um grande amigo tarólogo, aqui em Quito,  que me apresentou um autor de psicomagia e tarô chamado Alejandro Jodorowsky. Não o conhecia. 

Jodorowsky é chileno, artista e ainda vivo, hoje está com 85 anos de idade. Confesso que quando li suas primeiras metáforas de psicomagia, o vi e o interpretei como um charlatão. Mas não, bastou eu lê-lo mais e vê-lo em uma conferência, que está no youtube, para passar a senti-lo e interpretá-lo de maneira diferente.

Ele, a sua maneira, prega o otimismo e a caridade, primeiro com você mesmo, pois assim você pode distribuir aos demais.  De suas conferências apontei alguns pensamentos que nos ajudará a levar a vida adiante e a perceber o outro melhor, com mais carinho e paciência, são eles: 

1- O mundo é o que é e o que eu acredito e penso que seja. Nele podemos projetar o que queremos e reproduzir os movimentos emocionais da ausência.  A realidade nós mesmos que a criamos, portanto podemos mudá-la;

2 – Tudo está conectado com tudo. Nada para mim que não seja para todos;

3 – Tudo é possível e portanto, tudo pode ser realizado;

4 – A magia surge de onde colocamos ou fixamos, a nossa atenção;

5 – Agora, neste momento presente que devemos realizar, fazer as coisas, o presente é o tempo do poder. O que você tem que fazer, faça-o agora, não deixe para depois, pois corre o risco de não realizar;

6 – Tudo está vivo e pode responder, até mesmo a mais alta montanha vive de uma forma lenta, a seu tempo;

7 – Sempre existirá outra maneira de fazer, realizar.

Ontem, meditei sobre esses tópicos e hoje acordei diferente, as vontades que estavam adormecidas dentro de mim afloraram, como essa que estou fazendo agora, atualizar essa página web, por exemplo.

Se você deseja conhecer mais sobre ele clique aqui sobre o seu nome Alejandro Jodorowsky ou coloque o seu nome no google que sai uma centena de links. 

Segue o link que assisti ontem, uma pena que está em espanhol, mas acho que pode ser compreendido. 

http://www.youtube.com/watch?v=YyddsWEJBLc