Dizer poético da Umbanda – Vovó Catarina da Bahia

Composição: Ivo de Carvalho

View this post on Instagram

Vovó Catarina da Bahia Composição: Ivo de Carvalho

A post shared by Sylvia Arcuri (@sylvia_arcuri) on

Dizer poético da Umbanda 1

Esse foi o primeiro dizer e começamos com a música composta por Marcos Andrade – Caveira.

Dizer poético da Umbanda 2

Comecei um programa semanal – todas as terças-feiras – declamando alguns pontos, cantigas, músicas (como denomina meu amigo Marcos Andrade) de Umbanda. Como não sei cantar, declamo. Espero que seja bom para todos nós. O primeiro foi na semana passada e o de hoje, segue o link para o Instagram:

Iansã – Deusa do vento

Iansã é mudança, fogo, movimento, deslocamento.

Deusa do vento, dos raios, das tempestades e mensageira de Oxalá.

Guerreira, impulsiva e mãe do céu rosado.

Sua morada é o bambuzal, enverga, mas não quebra.

Eparraei Oyá!

78344733_10157011406178152_8732465736007548928_o.jpg

Ponto de Iansã na voz do grande Sebastião Casemiro

Clareou – Rita Benneditto – Yamí – Federico Puppi e Marco Lobo

“Luz divina, minha luz é Estrela do Oriente…”

Clareou

Um dia, numa conversa com papai  sobre as músicas de Umbanda não serem tão divulgadas, como as das outras religiões, chegamos ao nome de Rita, que naquela época era Ribeiro e cantava o que se chamava TechnoMacumba. Comentei:

– Já pensou pai, se um dia a Rita canta um dos seus pontos?

-Será?

– Quem sabe o Brado de Xangô. A gente pode enviar pra ela, quem sabe…

– Seria uma honra.

Alguns anos se passaram, papai conheceu a Rita quando foi gravar seu ponto Clareou que faz parte do CD de Federico Puppi – Marinho de terra firme. E hoje, no show Yamí,  Rita Benneditto, cantou Clareou com Federico e Marco Lobo, mamãe foi convidada ao palco e eu nem sei como consegui gravar esse vídeo, de tão nervosa, saudosa e orgulhosa de ter tido Ivo de Carvalho como pai e guia espiritual. Posso dizer com todas as letras – MEU PAI DEIXOU UM LEGADO PARA OS SEGUIDORES DA UMBANDA. 

Gratidão Yamí e Rita Benneditto.

 

 

 

 

Qual a ligação de Santo Antônio com Exu?

“Santo Antônio mandou

Santo Antônio é quem manda

Santo Antônio mandou

Exu Sete Estradas firma nossa banda”

Assim começa o ponto do Exu que comanda a Gira de Descarrego na nossa Tenda e no final pede licença… 

“Com licença de Ogum 

E de meu Santo Antônio 

Ele vem trabalhar”

Não é uma licença para chegar  e ficar, mas é para trabalhar e evoluir. Em uma escala hierárquica, Exu é a entidade mais perto dos humanos. Sim, na Umbanda Exu é entidade,  teve matéria encarnada, já no Candomblé ele é um Orixá. Quando se diz que é a mais perto dos humanos, talvez explique o fato de sua ligação com Santo Antônio, o “santo casamenteiro” como se apresenta popularmente o santo.

Se, por um lado,  Exu é a energia de ligação do mundo dos humanos com as esferas espirituais, é a entidade que realiza a limpeza mais densa, aquela que resolve os problemas “pesados”, a que constrói pontes, estradas, vias de passagens simbólicas amenizando as mazelas da humanidade; por outro,  Santo Antônio também está muito ligado aos humanos, um dos santos mais populares da Igreja Católica, quando em vida, um excelente orador, deixou todos os bens materiais para se dedicar aos mais necessitados, não se conformava com a desigualdade que existia, o que pode também ser atribuída a sua ligação com Exu. Ambos com o poder da palavra que encanta, ensina, ajuda, fortalece, ameniza, transfere, abre caminhos, (principalmente os relacionados as questões amorosas). Mas não é só a energia da abertura e do amor que essas duas figuras representam; no campo simbólico, elas cumprem um papel fundamental o de religar os seus adeptos ao seu eu interior, a sua divindade pessoal e a Zambi, Deus, como preferirem. Tanto Exu como Santo Antônio constroem pontes, saídas ligadas à energia amorosa, que carece muito nos dias atuais. Os dois entendem as aflições, os conflitos e as lutas humanas. E, com sua palavra mais próxima, podem aconselhar, afagar, curar. Embora seja uma das entidades mais brincalhona dentro dos Terreiros de Umbanda, Exu é sério no seu trabalho, trabalha em conjunto com outras entidades e com os Orixás, no caso Ogum que o concede a permissão de chegar e prestar a caridade. Exu NÃO é Lucifér, não é Diabo, essa figura do anjo caído não existe nas religiões de matrizes africana, assim como Santo Antônio também não traz essa ligação.

Enquanto a Igreja Católica, no mês de junho, saúda os Santos Antônio,  João e Pedro, as casas, as tendas e os terreiros de Umbanda saúdam Exú e Xangô. 

Exu e Santo Antônio são: fé,  poder, equilíbrio,  trabalho, esperança, encanto, caridade, bondade, solidariedade, sensibilidade, reciprocidade  e amor. 

Laroyê,

Exu, é Mojibá!

Salve Santo Antônio!

Nossa homenagem e festa para Exu será no próximo sábado dia 16 de junho. Venham comer o pãozinho de santo Antônio e pular a fogueira!

Segue o vídeo do ponto cantado pelo seu compositor e nosso dirigente Ivo de Carvalho.

 

 

Texto: Sylvia Helena de Carvalho Arcuri

Brado de Xangô – Tião Casemiro

Para um ano pesado, como está sendo 2018, nada melhor que a justiça de Xangô.

Que se faça justiça por todos e por todo mundo.

Kaô Kabiecile.

Ponto Brado de Xangô do nosso dirigente Ivo de Carvalho, interpretado por Tião Casemiro.