Umbanda com som tecno

Federico Puppi entra no palco ao som de Nessum Dorma, cantado pelo Tenor Luciano Pavarotti. O clima está dado e feito. Já sabíamos que seria um ESPETÁCULO de primeira linha. O italiano mais brasileiro que conheço, passeia pelos ritmos e sons brasileiros com tamanha maestria, que sensações invadem nossos espíritos, ora sentimos estar à beira do mar, ora dentro da floresta desfrutando de todos os deleites que a natureza desse país proporciona. Escutamos samba, embolada, xaxado, xote, chorinho, maracatu em sintonia e misturado com a música clássica, já que quem dava as ordens era o violoncelo, o artista principal em cena. Não bastasse tudo isso, Puppi convidou Laila Garin que cantou, lindamente Cazuza e Milton Nascimento, trazendo, dessa vez para o palco a presença de Marielle Franco, sempre presente. Para platéia,em êxtase, o show podia terminar aí, nesse momento, mas que nada, ainda fomos brindados com mais surpresas. O instrumentista Suave, que tocou um instrumento parecido com um berrante, encheu o palco com a cor e os espíritos dos nossos ancestrais indígenas, a floresta gritava todos os seus seres mágicos, Uirapuru, vitoria régia, Curupira, Saci, Boto cor de rosa, todos os seres encantados que habitam esse locus. Para terminar, posso dizer, o clímax do espetáculo, surgiu a ancestralidade africana encarnada no ponto de Ivo Carvalho , Clareou, que foi recepcionado por Federico e seu violoncelo desde a platéia ao palco. Não podia ter sido diferente, Estrela do Oriente espalhou sua luz divina por todos que ali se encontravam, por todos os cantos, até os mais escondidos do teatro, da bilheteria até a coxia a energia se fez presente, platéia emocionada com tamanha entrega de duas almas altruístas, Federico e Ivo, cantou o ponto de Umbanda com fervor. Ficamos e ainda estamos degustando cada nota emitida pelo violoncelo do artista e só podemos dizer gratidão, gratidão, gratidão… Que sua luz siga brilhando, sucesso sempre. E ao meu pai, Ivo, só me resta pedir, humildemente, a sua bênção.

Ficam as palavras do Federico que estão no encarte do CD Marinheiro de terra firme, “Obrigado, Ivo de Carvalho. Sua forja e sua generosidade são um norte”

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos: Tony Alves

Anúncios

AS ERVAS E OS BANHOS NA UMBANDA E NO CANDOMBLÉ

20170902_09491120170902_09492020170902_094929

 

Vídeo e fotos: Nosso dirigente Ivo de Carvalho preparando o Amaci

 

Texto retirado do blog:  segredodasfolhas.blogspot.com

As ervas ,tanto na Umbanda como no Candomblé, são fundamentais.

Na Umbanda faz-se o Amaci, que é um ritual de iniciação e ao mesmo tempo de firmeza do anjo-da-guarda do médium.

Na Umbanda e no Candomblé, as ervas são usadas em diversas cerimônias, tais como sacudimento, banho de Abô e também nos trabalhos.

Na Umbanda as ervas também servem para o ritual de defumação, de forma diversas e para diversos fins. Sendo o principal fator afastar os maus fluidos e limpar o ambiente para uma boa vibração ou harmonia.

Cada orixá ou guia protetor tem as suas ervas preferidas. 
As ervas são usadas de acordo com o anjo-de guarda, Orixá, de cada pessoa.

Os banhos de ervas são, de uma maneira geral, rituais onde utilizamos elementos da natureza com o intuito de que haja uma troca energética entre o indivíduo e esses elementos naturais utilizados.

Os banhos de ervas servem principalmente para limpar as energias negativas, reequilibrar, aumentar a capacidade receptiva do aparelho mediúnico e desobstrução dos chacras.

Podem ser utilizados ervas secas ou frescas dando sempre preferência para as folhas frescas.

Os banhos de ervas frescas devem ser preparados por maceração, ou seja, as ervas devem ser colocadas em um recipiente com água e maceradas por alguns minutos.

Os banhos de ervas secas devem ser preparados por infusão, ou seja, essas ervas devem ser colocadas em uma vasilha com água fervente que será tampada e permanecerá assim por pelo menos 15 minutos.

Banho de Descarrego: Serve para livrar o indivíduo de cargas energéticas negativas.

Se não nos cuidarmos vamos adquirindo doenças, distúrbios e podemos até ser obsediado, por isso o banho de descarrego é fundamental.

Banho de Defesa: Serve para a manutenção energética dos chacras impedindo que eles se impregnem de energias nocivas em determinados rituais como, por exemplo, em oferendas em campo de força.

As ervas utilizadas para preparar este tipo de banho são aquelas relacionadas ao Orixá regente da pessoa ou aquelas que uma entidade receitar.

Banho de Energização: Reativa os centros energéticos e refaz o teor positivo da aura. É um banho que devemos utilizar regularmente e que devemos tomar antes ou até mesmo depois de uma gira espiritual.

Banho de Fixação: É utilizado para trabalhos ritualísticos e deve ser tomado apenas por médiuns que irão realizar um trabalho aprofundado e entrar em contato com entidades elevadas.

Este banho abre todos os chacras aguçando a percepção mediúnica e as ervas utilizadas nele devem ser as indicadas pelo chefe de terreiro ou pela entidade.

O AMACI é um banho de ervas que se faz no médium iniciante na Umbanda.

Este banho é dado inclusive na cabeça do médium e tem a finalidade de limpar o campo astral e preparar o médium para entrar na corrente mediúnica.

É uma preparação, uma espécie de primeira confirmação do médium na corrente.

É um vinculo energético do médium com o seu Orixá, com a casa e com o seu Babalorixá, porque somente ele pode dar este banho e colocar a mão na cabeça do médium.

A partir deste ponto, o médium é um médium de Umbanda e está energeticamente vinculado ao seu Orixá

Fonte: segredodasfolhas.blogspot.com

Brado de Xangô – Tião Casemiro

Para um ano pesado, como está sendo 2018, nada melhor que a justiça de Xangô.

Que se faça justiça por todos e por todo mundo.

Kaô Kabiecile.

Ponto Brado de Xangô do nosso dirigente Ivo de Carvalho, interpretado por Tião Casemiro.

Retorno das atividades mediúnicas

Depois das nossas férias anuais e do mutirão de pintura da nossa casa,  a Tenda Espírita Pai Mané de Aruanda retoma as suas atividades mediúnicas no próximo sábado dia 10 de março, a sessão será de Mesa, pois também aproveitaremos a ocasião para fazermos a prece de falecimento de Wellington José Dias que nos deixou recentemente.

Esperamos os amigos

Dia: 10/03/2018

Horário: 18h

Sessão: Mesa

Local: Tenda Espírita Pai Mané de Aruanda – Estrada Velha do Piaí, 580 – Sepetiba

Nossos rituais

Por: Sid Soares

Se você está lendo isso se prepare, pois seu dia será marcado por rituais, a vida é feita deles, do simples fato de lavar o rosto, escovar os dentes, ao almoço de domingo em família ou o ato de queimar fotos e lembranças que nos trazem más recordações com a intenção de sepultá-las. Para isso nos valemos de tudo, fogo, objetos, e principalmente amigos, companheiros de caminhada que dividem conosco os pequenos atos sagrados de nossa intimidade.

Momentos bons e ruins devem ser marcados por rituais, isso fala a nossa alma e dão sentido e razão aos nossos sentimentos, passamos a vê-los de forma mais prática, concreta e viva, assim como aquilo que queremos pôr fora, seja bom ou ruim. Precisamos de um amigo para falar de nossas conquistas e vitórias, e também de nossas derrotas assim temos convicção de que se foi bom alguém irá sorrir conosco, ou o contrário e que depois é seguir em frente. Os ritos nos acompanham pela vida, em casa, na escola, no trabalho e nos templos.

Os ritos e rituais são muito importantes não só dentro da Umbanda como em outras crenças, tanto que o próprio Cristo viveu o batismo pelas mãos da Voz do Deserto e então se encheu do Espírito Santo, era chegada a hora do Seu testemunho.

Ainda que se diga que o mundo precisa menos de religião e de mais espiritualidade, seja qual for a religião, há no seu cerne a máxima de fazer o bem, de ser útil e do amor, e numa época onde tudo toma proporções maiores do que devem ter, onde o que norteia a maioria das pessoas é o EU e não o NÓS, a religião e seus ritos ainda são o prumo que nos auxilia o equilíbrio!

Mas todos os dias é necessário reforçar com as próprias forças essa caminhada, a busca pela ligação com o Mais Alto se dá a todo instante, na busca do autoconhecimento, na conexão com as forças da natureza que encerram os poderes divinos, no trabalho digno e acima de tudo na manutenção com nossa sagrada ligação com os mentores, com nosso anjo protetor.

Na humildade de saber que é preciso de uma outra mão por mais sábios e fortes que parecemos ser, há sempre alguém que nos conduz por águas tranquilas ao encontro com o Pai, renascendo de nós mesmos para os céus e se tornando parte dele, como João Batista fez com o Cristo de Deus.

Ritualize suas vivências, suas experiências ainda que pareçam simples. Eles ajudam a encerrar e iniciar os ciclos e libertam nosso coração, nos dão a possibilidade de recomeço, liberando nossas almas de amarras e criam laços com o Universo, assim como o vento que seja qual for o tempo ou direção, segue.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Trajetória

Nosso dirigente, Ivo de Cavalho contando sua trajetória na Umbanda. Lindo vê-lo com tanta energia aos seus 82 anos de idade. 

Como não nos sentirmos orgulhosos de tê-lo como pai. Cada palavra um aprendizado, cada ponto uma oração. Entrevista realizada por Alex do Grupo de Estudo Braulio Goffman. 

 

LUTO – A SESSÃO DE HOJE 03/02/2018 ESTÁ CANCELADA

Mais um elo da nossa corrente se foi.

Estamos muito tristes, mas entendemos os desígnios de Deus.

Wellington Dias, que sua estrela brilhe junto com seus guias espirituais, que Nanã Boruque, sua mãe, o acolha em seu colo carinhoso e que Estrela do Oriente guie seu caminho na sua nova morada.

Que Oxalá sempre lhe abençoe.

 

O Trabalho da Umbanda não se resume somente em consulta

Por: Jefferson Santana

O trabalho dentro de um terreiro de Umbanda não se resume unicamente em consulta espiritual com as entidades. Dentro de um terreiro e realizado muitos trabalhos além da consulta. Existe o passe, o descarrego, a energização , correntes de cura, de paz, de segurança harmonização do lar etc. Muitos ainda pensam que ir a um terreiro é só consulta. O trabalho da Umbanda e muito grande vai além da consulta com as entidades desde do momento que você entra em um terreiro você já esta sendo trato espiritualmente e fisicamente. 

Cada ponto cantando é uma ajuda uma oração uma prece. Cada brado de um caboclo é um problema sendo resolvido. Cada gargalha de Exu e uma demanda sendo quebrada.Cada balançar da saia de uma Pombo-gira e um caminho sendo aberto. Cada cachimbada de preto velho e um coração sendo ajudado. Cada laçada de um boiadeiro é uma dificuldade sendo desamarrada. Cada sorriso de uma Ibeijada é uma cura sendo realizada. 

Cada gesto de um guia, cada elemento ritualístico dentro da Umbanda é um auxilio um trabalho. A Umbanda vai além da consulta espiritual. Muitos querem ouvir mas poucos são os preparados para ouvir. Muitos querem ouvir aquilo que massagear o ego mas nem sempre a entidade vai falar aquilo que você quer ouvir. Ao entrar em um terreiro de Umbanda não foque somente na consulta espiritual foque em todo trabalho que esta sendo realizado a consulta é apenas uma base um trabalho de sustentação um aconselhamento.

 

Pai de Santo

Ser um Babalorixá é ser como Ivo de Carvalho, nosso Pai no Santo como ele gosta de dizer. 

Pai de Santo é a tradução literal de Babalorixá.

 

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

SER PAI DE SANTO*
(autor desconhecido)

Ser Pai de Santo é viver mil vezes em apenas uma vida, é lutar por causas perdidas, é desconhecer a palavra recompensa apesar dos seus atos.

Ser Pai de Santo é caminhar na dúvida cheio de certezas, é correr atrás das nuvens num dia de sol e alcançar o sol num dia de chuva.

Ser Pai de Santo é chorar de alegria e muitas vezes sorrir com tristeza, é cancelar sonhos em prol de terceiros, é acreditar quando ninguém mais acredita, é esperar quando ninguém mais espera.

Ser Pai de Santo é identificar um sorriso triste em uma lágrima falsa, é ser enganado e sempre dar mais uma chance, é cair no fundo do poço e emergir sem ajuda.

Ser Pai de Santo é se perder em palavras e depois perceber que se encontrou nelas, é distribuir emoções que nem sempre são captadas.

Ser Pai de Santo é construir castelos na areia, vê-los desmoronados pelas águas e ainda assim construir outros.

Ser Pai de Santo é tentar recuperar o irrecuperável, é entender o que ninguém mais conseguiu desvendar.

Ser Pai de Santo é estender a mão a quem ainda não pediu, é doar o que ainda não foi solicitado.

Ser Pai de Santo é ter a arrogância de viver apesar dos dissabores, das desilusões, das traições e das decepções.

Ser Pai de Santo é ser pai dos filhos dos outros e muitas vezes não ser dos seus, é amar igualmente e nem sempre ser amado.

Ser Pai de Santo é ter confiança no amanhã e aceitação pelo ontem, é desbravar caminhos difíceis em instantes inoportunos e fincar a bandeira da conquista em meio à derrota.

Ser Pai de Santo é entender as fases da lua por ter suas própria fases. É ser “nova” quando o coração está a espera de filhos de Santo, ser “crescente” quando estes filhos batem a sua porta, ser “cheia” quando já não cabe tantos filhos no Ilê e “minguante” quando muitos desses filhos vão embora cortando seu coração ao meio com injurias e falsas palavras.

Ser Pai de Santo é voltar no tempo todos os dias e viver por poucos instantes coisas que nunca ficarão esquecidas.

Ser Pai de Santo é cicatrizar feridas de outros e inúmeras vezes deixar as suas próprias feridas sangrando e doendo.

Ser Pai de Santo é chorar calado as dores de todo mundo e em apenas um segundo estar sorrindo.

Ser Pai de Santo é subir degraus e se os tiver que descer não precisar de ajuda, é tropeçar, cair e voltar a andar sozinho.

Ser Pai de Santo é acima de tudo um estado de espírito, é ter dentro de si um grande tesouro escondido chamado FÉ e ainda assim dividi-lo com o mundo, mesmo que o mundo não mereça, sem esperar nada em troca!

* Pai de Santo neste texto se refere a todos os Sacerdotes e Sacerdotisas dos cultos e religiões afro-brasileiras e de matriz africana.

7 coisas que você só descobre depois de se tornar Umbandista

1 – Usar branco não é fácil.

Pode parecer que é fácil, mas não é. 
Essa cor traz uma responsabilidade enorme. Você terá que aprender a vigiar seus atos, zelar pelo seu espiritual e entender que há irmãos que precisam, naquele momento, mais do que você. Então, você trocará festas, shows, amigos, bebidas e um dia de descanso, para se doar algumas horas para uma pessoa que você nunca viu e provavelmente nunca mais vai ver, mas posso te garantir, vale a pena.

2 – Você é um médium 24 horas por dia e não só no terreiro.

Não adianta você se enganar dizendo que é médium só no terreiro porque você não é. A mediunidade faz parte de você, sempre fez, e isso não vai mudar. Aos poucos você vai descobrir isso e entender que a espiritualidade não é culpada pela sua colheita. Eles te mostram um caminho, mas você tem um livre arbítrio e realiza suas próprias escolhas. Você planta, você colhe.

3 – As entidades não estão ali de brincadeira.

Nenhuma entidade está ali de brincadeira. Todas elas, sem exceção, estão ali para trabalhar, ensinar e também aprender, por isso, ouça-os com atenção e trate-os com muito carinho e respeito.

4 – Exu é uma entidade de Lei.

Você vai entender que Exu não esta ali para brincar, beber, fumar, dar em cima de alguém ou amarrar uma pessoa. Não. Eles não são assim. Exus e Pombo Giras são entidades que trabalham nos planos inferiores sob a Lei do Pai Maior. São eles que nos protegem na entrada, na saída e nas encruzilhadas dessa vida. Alguns são brincalhões outros mais firmes, mas todos carregam consigo a seriedade em seu trabalho, se utilizando somente da energia da bebida e do fumo, nada mais. E se for preciso Exu trabalhar sem a bebida ou o fumo, ele trabalhará, sem dúvidas.

5 – É preciso ajudar e não só participar.

Ser médium e fazer parte de um terreiro não é só chegar no dia da Gira e fazer seu trabalho. Não. Não é assim. 
O chão que você encontrou limpo, alguém limpou. A vela que você usou, alguém comprou. O banho que você tomou, alguém macerou. O local que você está, a luz que você utiliza e a água que você bebe, alguém pagou. Então, ajude… 
Ajude a limpar quando puder, leve o seu material de trabalho e, toda vez que possível, auxilie na compra daquilo que falta na Casa, colabore com o que conseguir para a manutenção do aluguel, da água e da luz. Não. Isso não é sua obrigação, eu sei, mas também não é minha e nem do Dirigente que ali se encontra. A obrigação é nossa. Nós temos que manter e cuidar do lugar onde nossa espiritualidade escolheu para trabalhar.

6 – Cansa.

Isso eu preciso te falar: Irmão, cansa. Existe um antes, durante e depois, vou explicar:
ANTES de todo e qualquer trabalho, o terreiro precisa ser limpo da maneira correta e as firmezas precisam ser devidamente cuidadas.  Você precisará se alimentar de maneira correta, tomar seu banho de defesa, acender suas velas e se direcionar ao terreiro, algumas horas antes do inicio dos trabalhos, para ajudar, tentando permanecer sempre em silêncio.
DURANTE todo e qualquer trabalho, você estará fornecendo e recebendo energias, então, é importante que o processo do ANTES tenha sido cumprido com rigor. Se você for médium de passe, lidará diretamente com energias. Se você for cambono, também lidará diretamente com energias, por isso, em todos os casos e cargos, é importante manter a firmeza.
DEPOIS de todo e qualquer trabalho, é preciso deixar o ambiente limpo de novo, então, pegue a vassoura, a pá, a esponja e mãos a obra. Dia seguinte você com certeza estará com o corpo dolorido, entretanto, digo mais uma vez a você: vale a pena.

7 – Você vai se apaixonar.

Independentemente dos 6 itens acima, você vai se apaixonar. Seja você um cambono, um médium de passe, um médium em desenvolvimento, um futuro sacerdote ou um simples consulente, esteja você na corrente ou na assistência, você vai se apaixonar por essa religião e nada, NADA, vai pagar a sensação de paz que vai te invadir ao receber um abraço sincero de alguém que você nunca viu, ao ver um sorriso no rosto de quem chegou chorando, ao ouvir o mais simples e sincero “obrigado”… Nada vai pagar.

Este slideshow necessita de JavaScript.